As pessoas que convivem com os doentes que padecem de demência frequentemente relatam que há dias mais tranquilos e dias mais agitados. Nos dias mais tranquilos, os pacientes parecem saudáveis, sem os lapsos de memória ou o comprometimento cognitivo. Nos dias mais agitados, os sintomas voltam com força total e dificultam as tarefas simples e habituais. Essas flutuações, para os parentes e os cuidadores, podem ser muito desconcertantes e trazem uma falsa esperança: será que a doença está a regredir?

Para compreender a causa e como os doentes enfrentam as mudanças físicas e comportamentais constantemente, a equipa da Thereus Health conversou com a Dra. Rosa Sancho, diretora de pesquisa na Alzheimer’s Research, instituição do Reino Unido comprometida com os estudos para os novos tratamentos. Leia a entrevista abaixo.

Thereus Health – Muitos pacientes com a demência têm dias mais tranquilos e dias mais agitados. Nos dias mais tranquilos, os familiares relatam que a doença parece ter desaparecido. Porém, os sintomas voltam. Por que eles flutuam?
Dra. Rosa Sancho: A demência é um termo usado para descrever os sintomas causados por diversas doenças físicas. Enquanto a perda de memória é um sintoma comum, cada doença é diferente e afeta os indivíduos de forma única.
As flutuações são os sintomas mais comuns em algumas formas de demência, inclusive a demência com corpos de Lewy. Isso dificulta o planeamento dos cuidados que cada paciente necessita e como mantê-los seguros.

Thereus Health – Há fatores que possam afetar a habilidade cognitiva e a memória de forma tão súbita?
Dra. Rosa Sancho: A demência é progressiva – os sintomas pioram continuamente, mas há também condições que podem impactar na memória e na capacidade cognitiva a curto prazo. Nós sabemos que a qualidade do sono e do humor podem comprometer o desempenho cognitivo, independentemente de a pessoa ter ou não a demência.

Thereus Health – As alterações no comportamento são mais comuns sob alguma circunstância específica, em algum estágio da doença?
Dra. Rosa Sancho: Às vezes, o doente com a demência comporta-se de modo incompreensível, com mais frequência, no fim da tarde ou no começo da noite. Este fenómeno chama-se sundowning. O padrão pode manter-se por diversos meses, geralmente em estágios intermediários e avançados da demência.

Thereus Health – Já há no mercado uma medicação específica para reduzir a ocorrência de flutuação dos sintomas?
Dra. Rosa Sancho: Atualmente, não há uma medicação capaz de coibir ou deter a progressão da doença que leva à demência, mas alguns medicamentos podem ajudar a controlar os sintomas do dia a dia. No entanto, ainda não dispomos de um fármaco específico para tratar a flutuação dos sintomas.
Os tratamentos recentes para a demência agem na otimização dos mensageiros químicos entre as células nervosas no cérebro. As substâncias ficam menos poderosas com o passar do tempo e os efeitos diferem de um indivíduo para outro. A Alzheimer’s Research UK está a investir em novas abordagens medicamentosas para tentar modificar o curso da doença.

Thereus Health – O que os doentes podem esperar em relação à progressão dos sintomas?
Dra. Rosa Sancho: A demência afeta os indivíduos de maneiras diferentes, no entanto é uma doença progressiva. Embora todos os doentes sejam diferentes, os desafios em comum incluem atividades do cotidiano como vestir-se, alimentar-se, banhar-se, assim como conviver com as alterações de personalidade e com a dificuldade de comunicar-se. Com o passar do tempo, o doente necessita de mais apoio para executar essas tarefas. Nem todos passam pelas mesmas experiências e transformações, e os sintomas podem desenvolver-se em ritmos e intensidades diferentes para cada um. 

Thereus Health – Como as famílias podem conviver com os altos e baixos provocados pela demência?
Dra. Rosa Sancho: A demência pode ser uma doença devastadora, com grande impacto, não só para o doente, mas também para todos que o amam. É importante que os familiares procurem auxílio e apoio, seja para as questões práticas ou para os desafios emocionais que a demência impõe.

Atualizado em 23/06/2020.

Partilhar: